Cantor Anderson Leonardo, do Molejo, morre no Rio de Janeiro – Today News
Siga o EGOBrazil nas Rede Sociais

Musica e Youtube

Cantor Anderson Leonardo, do Molejo, morre no Rio de Janeiro

Publicado a

em

Cantor Anderson Leonardo de 51 anos se tratava contra um câncer na região inguinal. Ele estava internado no Hospital Unimed, na Barra da Tijuca, e seu quadro vinha piorando desde domingo (21).

Ícone do pagode dos anos 1990, Anderson Leonardo, de 51 anos, do grupo Molejo, morreu nesta sexta-feira (26), 1 ano e meio após um diagnóstico de câncer na região inguinal. A informação foi confirmada pela assessoria do cantor e pelo perfil oficial do grupo. 

“Nosso guerreiro ANDERSON LEONARDO lutou bravamente, mas infelizmente foi vencido pelo câncer, mas será sempre lembrado por toda família, amigos e sua imensa legião de fãs, por sua genialidade, força e pelo amor aos palcos e ao MOLEJO. Sua presença e alegria era uma luz que iluminava a vida de todos ao seu redor, e sua falta será profundamente sentida e jamais esquecida, nós te amamos”, diz a mensagem postada em uma rede social.

Mais conhecido como Anderson Molejão, por causa da conexão com o grupo Molejo, o cantor fez história com seus sucessos animados e bem-humorados.

Nascido no Rio de Janeiro, Anderson é um dos formadores do grupo carioca de pagode, junto com Andrezinho, Claumirzinho, Lúcio Nascimento, Robson Calazans e Jimmy Batera.

Anderson estava internado no Hospital Unimed, na Barra da Tijuca, e seu quadro vinha piorando desde domingo (21).

O Molejo estourou grandes hits em todo o país, como “Cilada”“Caçamba”“Brincadeira de Criança”“Dança da Vassoura”“Paparico” e “Clínica Geral”.

O grupo, formado no fim dos anos 1980, também emplacou várias músicas de samba-rock, incluindo o próprio “Samba Rock do Molejão”.

Além de fazer o vocal da banda, Anderson também era responsável pelo som do cavaquinho. Ele também atuava como compositor. O registro do Ecadnet conta com 118 composições assinadas pelo artista.

Anderson assina músicas da banda, como “Dança da vassoura” e “Garoto Zona Sul”, além de hits de outros grupos, como a “Cohab City”, sucesso do Negritude Junior.

O primeiro álbum do Grupo Molejo foi lançado em 1993 e foi impulsionado pela música “Caçamba”. O último disco do grupo foi “Molejo Club”, lançado em 2016 e que trouxe faixas inéditas da banda após 6 anos.

Naquele ano, o grupo caiu nas graças novamente do público jovem e descolado, principalmente por causa dos memes e comparações irônicas com artistas como Lady Gaga. A repercussão da banda na internet incentivou a banda a gravar o álbum. 

A banda segue em atividade nos palcos, e Anderson cumpriu boa parte da agenda mesmo durante o tratamento contra a doença. 

Anderson teve 4 filhos. Dois deles seguiram os passos do pai: o cantor e multi-instrumentista Leozinho Bradock, de 29 anos, e Rafael ‘Molejinn’, de 28, que integra o Grupo Surpreender. O artista também é pai de Alessa Cristyne, de 30 anos, sua primogênita, e de Alice, a caçula, que completa 4 anos em maio.

Diagnóstico de câncer

Em outubro de 2022, Anderson Molejo revelou que foi diagnosticado com câncer. Sem revelar a região atingida pela doença, o cantor anunciou, 2 meses depois, que estava curado.

O anúncio foi feito pela comissária de bordo durante um voo no qual estava o cantor. Anderson foi aplaudido pelos passageiros e levantou os braços para celebrar. 

No ano seguinte, em maio de 2023, o cantor anunciou, durante participação no ‘Rocinha Cast’, que retomaria o tratamento contra o câncer.

“Vou lutar até o final”, disse Anderson, explicando que o primeiro diagnóstico da doença foi na região inguinal.

“Eu tava sentindo uma coisa muito pequena e falava: ‘não deve ser nada, deve ser uma gordurinha’. Daí foi crescendo. Eu e minha namorada procuramos o urologista. Aí o cara falou pra fazer uma biopsia. Quando fez, deu que eu tinha um tumor maligno na região da virilha.”

“Primeiro, quando o cara falou, pirei o cabeção. Fiquei parado, já não tava ouvindo mais”, afirmou Anderson, dizendo que ficou animado para o início do tratamento quando descobriu que tinha 70% de chance de cura. Ele relembrou, ainda, que foi nesse período que a notícia se tornou pública, após ele passar mal no hospital por ter ficado em jejum para um dos exames.

“Chorei, fiquei muito triste. Aí comecei o tratamento. Consegui matar o tumor, o câncer. Mas agora parece que vou ter que fazer uma outra fase.”

Anderson explicou ainda que seu câncer era raro e disse que o novo tratamento era para evitar que a doença irradiasse para outras regiões.

** A opinião expressa neste texto não é necessariamente a mesma deste site de notícias.

© A reprodução deste conteúdo é estritamente proibida sem autorização prévia.

Tiago Ghidotti

Continue Lendo

Mais Lidas

© Todos os direitos reservados - Parceiro de Conteúdo do EGOBrazil